Como Fazer Um Evento De Sucesso No Ramo Industrial



O Que Isto Significa?


O Jornal Nacional ilustrou na quinta-feira (8) uma reportagem a respeito do estudo mais abrangente e profundo prontamente feito sobre as notícias falsas que se multiplicam no recinto da web. Pesquisadores americanos concluíram que as chamadas fake news, estas mentiras, acabam se espalhando com mais rapidez do que notícias verdadeiras. E quanto mais espetaculares estas mentiras pareçam, mais pessoas ajudam a divulgá-las. Nessa sexta-feira (9), a BBC Brasil publicou uma reportagem que ilustra bem os perigos nesse jeito pra uma democracia. A fabricação de perfis falsos numa rede social pra elogiar uma candidatura à Presidência e pra atacar oponentes, inclusive com notícias falsas. Um dos sites falsos listados pela reportagem foi desativado, mas ainda podes ser achado pela internet.



É o "Seja mencionada a verdade". O autor era Armando Santiago Júnior, que se descrevia em uma mídia social como “um cidadão brasileiro indignado com o que chamava de ação criminosa dos tucanos e seus aliados na campanha eleitoral”. A reportagem da BBC informa que Armando nunca existiu. Além do perfil incorreto de Armando, incontáveis outros assim como foram usados para os ataques, segundo os ex-funcionários.



  • Fazer categorias e tags

  • quatro - Conheça a tua área zoom_out_map

  • $30,00 dólares

  • Pesquisar se o seu tema é digno da palavra chave a qual está visando

  • 1 Postagens sobre Jogos olímpicos

  • Eu Entrego

  • Comece a anunciar a sua comunidade



Alguns ainda são capazes de ser encontrados pela web, todavia não são mais usados. Perfis com profissões, origem, idades, opiniões, tudo pra ir a ideia de que seriam pessoas reais. A reportagem mostrou que era tudo fake, incorreto. Os ex-funcionários contaram que as imagens pros perfis falsos eram retiradas da internet: de páginas de fora do Brasil, principalmente, e de sites com imagens "pra fakes", ou melhor, feitos justamente pra essa finalidade.



Imagens de turcos, algumas vezes africanos, pra se parecer mais com o brasileiro, e de sites de paquera. A corporação de marketing político responsável pelo serviço, dita pela BBC, é a Ahead Marketing, que bem como, segundo a reportagem, pertence a Gabriel Arantes Cecílio e, na data também pertencia a Arnaldo Lincoln de Azevedo.



Em seu site, a Ahead Marketing Político se mostra até hoje como uma companhia que adaptou o marketing de guerrilha pra realidade política e oferece serviços como o de “invisible talkers”, traduzindo, comunicadores invisíveis. Grupo de agentes treinados que absorvem mensagens em pontos estratégicos da cidade, por intervenção de diálogos entre eles mesmos ou com a população.



Não há na prestação de contas da campanha de 2010 de Dilma e do PT registros de pagamentos a Ahead Marketing. 234 1000 da campanha de um aliado, o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, do PT, a uma outra corporação do mesmo dono da Ahead, Gabriel Cecílio Arantes. Em 2017, a lei passou a proibir a divulgação de conteúdos de cunho eleitoral por meio de usuários falsos. O uso de fake news, de notícias falsas, nas eleições de outubro é hoje uma das principais preocupações do Tribunal Superior Eleitoral, que criou um grupo para tentar evitar que elas se espalhem. O promotor de Justiça Frederico Meinberg disse que o eleitor precisa continuar concentrado a todas os detalhes. “O entendimento de que está recebendo aquela notícia é de suma relevância para combater fake News. Na indecisão é respeitável o eleitor, o usuário daquela da plataforma de tecnologia validar aquela dado. E como se faz isso no Brasil ou em cada lugar do mundo?



É indo nos meios de comunicação tradicionais”, comentou o coordenador do Comissão dos Proteção de Fatos Pessoais do MP do Distrito Federal e Territórios. A assessoria de Dilma Rousseff argumentou que, em nenhuma das duas campanhas, a ex-presidente autorizou a contratação de serviços relativos a perfis ou notícias falsas. Argumentou inclusive até quando desconhece empresas ou pessoas que atuem pela área.